fbpx

Vandalismo tira 24 articulados de circulação nesta sexta

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Ao todo, 24 articulados tiveram que ser retirados de circulação por causa de atos de vandalismo que ocorreram na noite de ontem e neste início de manhã. Operação ainda acontece com desvios em dois pontos do corredor Transcarioca

As operações do BRT Rio na manhã desta sexta-feira começaram prejudicadas com atos de vandalismo e desvios na pista devido a buracos de grande dimensão. Da noite de ontem até a manhã de hoje, um total de 24 articulados foram depredados nos três corredores. Vândalos quebraram portas e vidros de 22 veículos. Nos dois casos que aconteceram no início de manhã desta sexta-feira criminosos atiraram pedras nos articulados. Todos os 24 veículos tiveram que ser encaminhados à garagem para manutenção.

O vandalismo acarreta a retirada dos veículos de operação para manutenção, o que prejudica os passageiros do dia a dia. Uma porta quebrada pode tirar um ônibus de circulação por um dia, se for um vidro quebrado, por exemplo, ou até cinco dias, se for afetado o mecanismo. Se a gente levar em consideração que um articulado carrega em média 180 pessoas e faz também em média 7 viagens por dia, são mais de 1.200 pessoas que vão lotar outros ônibus, a cada dia que esse articulado estiver na garagem em manutenção.

Operação do BRT com desvios em dois pontos do corredor Transcarioca

Já a operação no corredor Transcarioca está sendo feita com desvios em dois pontos devido a buracos de grande dimensão na pista. O tráfego dos articulados teve que ser desviado entre as estações Vila Queiroz e Vaz Lobo e em frente à estação Olaria, ambos no sentido Galeão.

É importante ressaltar que, ao deixar a pista exclusiva em determinados trechos, as viagens podem ter impactos que afetam diretamente os passageiros do BRT e os demais motoristas das pistas comuns. Nesse tipo de situação é necessário diminuir a velocidade, os articulados passam a depender do trânsito do local e precisam esperar encontrar a próxima entrada para voltar à pista exclusiva, o que reflete nos intervalos e no planejamento da operação. Além disso, devido ao tamanho dos articulados e às necessidades de manobra, o tráfego na pista dos veículos de passeio e ônibus comuns pode ser afetado.

Lembramos que as condições precárias das pistas, principalmente nos corredores Transoeste e Transcarioca, levaram à degradação precoce da frota e geraram impactos no dia a dia dos passageiros. Veículos que deveriam durar 20 anos, duram apenas 5 no Rio. Buracos, desníveis, depressões afetam diretamente a operação do BRT, causando riscos de acidentes, redução da velocidade operacional, o aumento dos custos de manutenção dos veículos – que tem levado empresas à falência – e a destruição da frota, gerando inclusive superlotação em horários de pico.

Share in
your Networks: