fbpx

Equipe do BRT auxilia parto em estação

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Com pressa para vir ao mundo, a pequena Nauoni nasceu dentro da Estação Lourenço Jorge, do BRT, na Barra da Tijuca, na manhã desta sexta-feira. A mãe, Natalia Nascimento, de 28 anos, estava em trabalho de parto desde a madrugada e pegou a linha 35 (Madureira-Alvorada/Parador) para ir até a Maternidade Leila Diniz. Mas, quando desceu na estação, sentiu as contrações mais fortes e o parto teve que ser improvisado no chão da estação.
“Todo mundo começou a me ajudar. O pessoal do BRT ficou ao meu lado e chamou uma ambulância, mas não deu tempo. O jeito foi fazer força e deixar a bebê nascer”, lembrou Natalia.
Uma técnica de enfermagem, que seguia para o trabalho e estava na estação, conduziu o parto improvisado. O jeito foi usar sacos plásticos como luva e até o cadarço do sapato do controlador de estação Caio Oliveira para amarrar o cordão umbilical.
“Quando a bebê fez o primeiro barulhinho, meu olho encheu d’água. Que experiência maravilhosa! Nunca tinha passado por uma situação como essa”, contou a controladora de estação Cristiane Oliveira da Silva, que também é mãe de duas meninas.
Quando os bombeiros chegaram, mãe e filha foram encaminhadas para a Maternidade Municipal Leila Diniz, onde devem ficar até domingo. As duas passam muito bem e, na tarde de hoje, receberam a visita da equipe do BRT que ajudou Natalia pela manhã. O reencontro arrancou lágrimas e risadas.
“Lembra o quanto o Caio tremia?”, perguntou o supervisor de equipe, Leandro Pinto, sendo logo retrucado: “Você também”, falou Natalia arrancado risos de todos.
“A gente tenta focar, seguir todos os protocolos, mas a emoção toma conta. A primeira intenção era deixá-la segura, afastar curiosos. Por isso, coloquei a Cristiane ao lado dela o tempo todo e fui reorganizando a equipe para as outras ações. Mas entre uma decisão e outra, não tinha como não tremer”, brincou Leandro.
“Serviu como aprendizado, para estarmos mais preparados para essas surpresas. Cheguei depois do nascimento, para reforçar equipe, controlar as catracas. Mas, depois de toda essa correria, só agora, vendo que mãe e filha passam bem, respiro aliviado”, confessou, emocionado, o controlador de estação Robson Pereira de Sousa.
Nauoni é o quinto filho de Natalia. Moradora da Cidade de Deus, ela conta com a ajuda do marido e da mãe para cuidar da família. Mas, na urgência em sair de casa, esqueceu o enxoval da bebê. “Ela estava sem roupa, só enrolada nos lençóis até agora. Essa visita, trazendo todos esses presentes, foi um milagre. Muito obrigada por tudo o que vocês fizeram pela gente hoje”, disse Natalia.

Share in
your Networks: